Menu

Iniciação científica – Artes Visuais

Prof. Dr. Paulo Reis

Projetos críticos no Brasil

A crítica de arte tem um papel fundamental na construção de narrativas da história da arte pois que, como afirma Giulio Carlo Argan, aconstrução da história da arte é um processo crítico (ARGAN, p.141). Neste sentido, a pesquisa “Projetos críticos no Brasil” procura discernir os fundamentos críticos que se estabelecem em determinado momento histórico da arte brasileira e assim estabelecer uma reflexão teórica orientada para a proposição artística e sua contextualização dentro de narrativas da história da arte. O foco do projeto recairá especialmente na pesquisa dos fundamentos teóricos da construção do pensamento de importantes críticos de arte brasileiros a partir dos anos 1960.

Bolsistas 2018-19:

Bianca Grabaski Accioly

Arno H. Macedo Lindemann

 

Profa. Dra. Stephanie Dahn Batista

O corpo no palco de gênero: representações corpóreas de feminilidades e masculinidades na arte brasileira no século XX e XXI.

O projeto de pesquisa analisa as imagens artísticas dos corpos nos acervos públicos de Curitiba (Museu Oscar Niemeyer, Museu de Arte Contemporânea, Museu
de Gravura, Museu de Fotografia e Museu Metropolitano de Arte) produzidas durante o século XX até a atualidade sob o conceito de staging gender que visa cruzar as áreas da História da Arte e os Estudos de Gênero. Os nus recebem inscrições discursivas de gênero, raça e classe uma vez que o corpo é um lugar simbólico entre o individuo e a sociedade. O corpo nunca é neutro, ele é vestido em arte e exige um olhar multidisciplinar. Esta longa investigação desde edital 2012-2013 (levantamento de c. 700 nus nos acervos locais, mapeamento temático, entrevistas filmadas com professores da disciplina Desenho com “modelo vivo” da Escola de Música e Belas do Paraná/UNESPAR) aponta noções morais em relação à nudez no campo local da arte bem como a condução e sua dinâmica da aula do desenho do nu. O levantamento da documentação pedagógica-administrativa (ementas, cátedras, relatos, planos de aula, contratos com modelo) sobre a disciplina com modelo vivo na EMBAP traz luz sobre a concepção do ensino da figura humana que se entende como alicerce da formação acadêmica artística. O material imagético, documental e oral compõe as possíveis concepções da construção discursiva sobre o corpo no palco das artes visuais dentro e fora da academia. Um primeiro produto desta pesquisa é a exposição "Vestidos em Arte: os nus nos acervos públicos de Curitiba" no Museu Oscar Niemeyer de Curitiba de 14/12/2017 a 25/3/2018 com o objetivo de publicizar os resultados da pesquisa para a comunidade externa (87.129 pessoas visitantes neste período no MON). Em sintonia com as significativas exposições como a “História da Sexualidade” (2017) e as “Histórias Afro-Atlânticas” (2018) no Masp/SP e “Mulheres radicais: arte latino- americana 1960-1985” (2018) na Pinacoteca de São Paulo, que propõem narrativas reparadoras ultrapassando o discurso da História da Arte oficial, este projeto propõe discussões sobre o corpo na arte sob as categorias analíticas de gênero, raça e classe bem como biografias de artistas mulheres e suas concepções específicas sobre a figura humana. O projeto trabalhará neste edital 2019-2020 em duas frentes: sobre a obra da artista Denise Queiroz que concentra suas poéticas em torno do corpo da mulher e cujo acervo está sendo doado para o Museu de Arte da UFPR. A segunda frente é em parceria com o Museu de Arte Contemporânea/ PR levantando um histórico de 50 anos (1970-2020) sobre o lugar do corpo nesta instituição e a presença da artista mulher.

Bolsistas 2018-19:

Marcela Ribas Belz.

Heloisa Müller Santana.

Rennan Negrão de Queiroz.

Viviane Cristina Vieira.

Bolsistas 2019-2020:

Lais Jaskiu Sauter,

Oriana Lea Di Monaco,

Pamela Cristine de Oliveira,

Rafaela Dittrich Guebert,

Rennan Negrão de Queiroz

 

Prof. Dra. Luana Veiga

Cr̫nicas de Arte A̤̣o Рregistros e leituras de arte ṇo objetual baseada em a̤̣o na Am̩rica Latina

O projeto visa a produção de trabalhos de arte, registros e leituras criticas sobre a produção em arte de ação na América Latina, em especial na região de Curitiba. O objetivo principal é incentivar a produção de leituras críticas sobre Arte de Ação, por meio da análise e interpretação de trabalhos, tendo como base especialmente seus registros. A importância do projeto se verifica tendo em vista a escassez de materiais de pesquisa e publicações enfocando a produção em Arte de Ação fora do eixo Estados Unidos / Europa, o que dá a entender uma falaciosa inexistência de produção em outras regiões. Em especial a região de Curitiba conta com festivais regulares desde 2012, com vários eventos esporádicos, além dos trabalhos apresentados no contexto das artes da cena, como nos festivais de teatro e dança, contudo, ainda há pouca leitura crítica dessa produção. Para a realização do projeto, os pesquisadores realizarão trabalhos originais em Arte de Ação, produzindo seus registros, entrarão em contato com arquivos públicos e privados, realizarão entrevistas, e assistirão a apresentações públicas produzindo registros originais

Bolsistas 2019-20:
Luana Oliveira Correia
Sandy Mara Cardozo

 

Prof. Dra. Fabrícia Jordão

Ativismo institucional, práticas artísticas e educação radical durante a redemocratização brasileira

Esse projeto de pesquisa tem como ponto de partida tese defendida em 2018 junto ao PPGAV-ECA/USP. Na referida pesquisa, foi possível demonstrar como ao longo da redemocratização (1974-1985) artistas visuais, de diferentes regiões, desenvolveram um novo tipo de ativismo artístico, o ativismo institucional, por meio do qual buscaram interferir direta e concretamente nos processos de reformulação institucional e nas políticas voltadas para as artes visuais nas mais diversas esferas. Destaca-se, nesse processo, o crescente protagonismo da relação arte/educação, uma vez que estava claro para os ativistas institucionais que sem a constituição de um campo formativo – discursivo, teórico e prático –, dificilmente a produção experimental encontraria inteligibilidade e legitimidade
nas políticas de Estado e no meio das artes visuais. Expressão direta desse entendimento foi a criação de diversos espaços experimentais e plataformas impressas direcionados à formação, produção e reflexão voltadas para essa vertente artística. Iniciativas que culminaram não só na criação de espaços formativos  alternativos e críticos em relação ao modelo vigente de escola de arte, mas também no desenvolvimento de propostas pedagógicas, práticas e conceitos formativos radicais. Paralelamente, também foi possível demonstrar como a inserção de artistas visuais nas universidades potencializou práticas artísticos-docentes radicais, impactando na reformulação do formato e conteúdo dos cursos de Educação Artística então em vigor. Além disso, ficou evidente como as
atuações docentes de artistas visuais foram decisivas para que as universidades fossem percebidas como um espaço estratégico nos processos de inteligibilidade e formação de um pensamento em torno da arte contemporânea brasileira. Isso posto, pretende-se com essa proposta de IC, ampliar a abrangência geográfica dessa pesquisa. Interessa, investigar a existência de atuações semelhantes no estado do Paraná. Especificamente, buscaremos identificar não só no circuito de arte, mas também nas universidades, museus e instituições culturais as atuações e contribuições de práticas artísticos- docentes radicais e seus possíveis impactos na reformulação do formato e conteúdo dos cursos de Educação Artística no Estado do Paraná ao longo do processo de redemocratização brasileira.

Bolsistas 2019-20:

Júlia Jacob de Souza,

Roberta Agnoletto Horvath,

Thallyta Karoline Maia Piovezan,

Ué Prazeres.

 

Prof. Dr. Felipe Prando

Efeitos de museu sem museu: a crítica institucional em contextos precários

REDES SOCIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ
Departamento de Artes UFPR
RUA CORONEL DULCÍDIO, 638 - BAIRRO BATEL
CEP 80420-170 - CURITIBA, PR - BRASIL
TELEFONE: (41) 3307-7303
E-MAIL: deartes@ufpr.br

©2019 - Universidade Federal do Paraná

Desenvolvido em Software Livre e hospedado pelo Centro de Computação Eletrônica da UFPR